Dólar recua 1,44% com corte de gastos e ata do Fed

O dólar fechou em queda nesta quinta-feira, 8, no mercado à vista, influenciado principalmente pela notícia do contingenciamento fiscal e pela ata do da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed), divulgada após o fechamento dos negócios no balcão, ontem.

Antes da abertura dos negócios, decreto publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União mostrou que o governo federal reduziu a 1/18 (um dezoito avos), de 1/12 (um doze avos), o montante de gastos que estão autorizados, por lei, a ministérios e secretarias antes da aprovação do Orçamento de 2015 pelo Congresso Nacional.

A intenção é reforçar o esforço para o cumprimento da meta fiscal de R$ 66,3 bilhões deste ano, ou de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

O valor corresponde a um total de R$ 3,775 bilhões, representando um bloqueio mensal de R$ 1,9 bilhão.

O dólar abriu em queda, reagindo ao corte de gastos públicos e ao clima mais calmo no exterior.

No balcão, a moeda também foi pressionada pela ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed) no ano passado, que foi divulgada após o fechamento dos negócios no mercado à vista.

O documento apresentou um tom mais ameno, reforçando a expectativa de que o processo de alta de juros nos EUA será suave, o que levou o dólar para fevereiro a registrar forte queda ontem.

Como os negócios no balcão ontem foram encerrados antes da divulgação do documento, não houve tempo de o dólar à vista reagir à sinalização e a moeda acabou fechando em alta.

A distorção entre o mercado de balcão e o futuro provocou ajustes ao longo da sessão desta segunda-feira, com o dólar à vista apresentando perda porcentual mais acentuada que a divisão negociada para fevereiro.

O recuo do dólar ante a maioria da moedas de países emergentes ou exportadores de commodities favoreceu o recuo da divisa dos EUA no Brasil.

O apetite dos investidores por essas moedas foi estimulado pela ata do Fed, que sinalizou apoio à adoção de estímulos em outros países, para impulsionar a economia global, e indicou que a alta de juros nos EUA não será imediata.

O documento também reforçou a expectativa de novas medidas de estímulo serão anunciadas na zona do euro, ao destacar que os membros do Fed disseram que a piora no exterior pode enfraquecer o crescimento dos EUA.

No término da sessão, o dólar à vista caiu 1,44%, a R$ 2,6680. O volume de negócios totalizava US$ 1,261 bilhão, por volta das 16h30. No mercado futuro, o dólar para fevereiro recuava 0,59%, a R$ 2,6855.

 

Fonte: exame.abril.com.br

NOTÍCIAS



CORRESPONDENTES DE CÂMBIO
MATRIZ
>> PORTO ALEGRE
Av. Plínio Brasil Milano, 757 | sb loja 201
Higienópolis
(51)3574.3422 |
>> CAXIAS DO SUL
Av. Júlio de Castilhos, 2700 - Térreo | lj 05
São Pelegrino
(54)3021.3422 |
>> NOVO HAMBURGO
Rua Bento Gonçalves, 2800
Centro
(51)3303.3422 |
NEWSLETTER



OUVIDORIA
0800 770-5422
ouvidoria@executivecambio.com.br
ATENDIMENTO
Segunda-feira à Sexta-feira
Das 9h às 17h
EXECUTIVE CÂMBIO
Caxias do Sul | Novo Hamburgo | Porto Alegre

Área Restrita:
Login: Senha:


© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados à Executive Câmbio